CHEGADA NO PARAÍSO - CAP 32

Yusuke e Catarina já haviam partido havia 5 minutos, porém, um pesado silêncio mantinha-se ali naquela área. Alaústre percebeu que seria sua obrigação romper aquela selo.
- Cássia, como Donis a contratou?
Cássia não levantou sua cabeça para responder:
- Eu estava obrigada a ser uma suprabreto por força de contrato, até que Donis pagou a multa do meu contrato, rompendo-o.
- Ele a obrigou a trabalhar para ele?
- Não... mas eu tinha uma dívida pessoal e o procurei para compensá-lo.
- Mas você aceitou vir para cá para passar o resto de sua vida aqui?
- Não... o plano era apenas convencer Xandro a vir. Depois, quando ele acordasse aqui, diriam a ele que morri na viagem e eu seguiria minha vida na Via Láctea.
- Eu devia saber que não era coincidência o sistema de controle do clima deixar a chuva terminar mais cedo naquele dia... - recordou Xandro com mágoa na voz.
Alaústre cortou:
- Espere aí! Se era esse o plano, por que você veio conosco, então?
Os olhos de Cássia marejaram e ela não pôde conter seu grito:
- Porque... EU AMO XANDRO!!!
O cientista não se comoveu com aquilo:
- Está interpretando de novo...
Alaústre acudiu:
- Será, Xandro? Ela podia não ter vindo se quisesse.
- Talvez ela queira uma vida nova aqui, onde ninguém sabe que ela era um suprabreto...
- Supondo que seja verdade, ela não gostaria de deixar tudo que lembrasse isso pra trás?
- Sim, claro.
- E isso não incluiria este trabalho com você?
Xandro se silenciou. Alaústre continuou:
- Há anos vocês estão juntos. Se o sentimento não fosse verdadeiro, essa relação não duraria tanto. Admita: vocês se amam muito de verdade...
Xandro continuava emburrado, mas estava mais sociável:
- Eu não sei o que pensar. Isso tudo... preciso digerir.
Cássia relembrou dos assuntos mais urgentes:
- Não temos muito tempo! Precisamos salvar Leonard  e sair daqui!
Alaústre respondeu enquanto se concentrava:
- Tem razão...
A dizer isso, fez um gesto de separação com as mãos. Uma pequena trincheira se formou no chão, atravessando as celas e saindo delas. Entrando nela, Xandro, Cássia e Alaústre puderam sair de suas celas.
- Quando Catarina leu a mente de Xandro, ela não deve ter lido que eu e Cássia somos magos. - comentou o herói cansado.
- Temos que enfrentar Yusuke e Catarina, mas como enfrentamos alguém que pode interromper nossas mágicas e pode nos controlar? - levantou Cássia.
Xandro ainda estava emburrado, mas disse:
- Tenho um elixir feito com o pó de gemas de energia. Ele incrementa a concentração e pode vir a nos proteger de Catarina por um tempo.
- Legal... mas como vamos encontrá-los? - perguntou Alaústre.
- Não é difícil: Leonard fará um discurso hoje na praça da cidade. Yusuke e Catarina deve estar lá quando ele começar. - deduziu Cássia.
- Então vou correr para casa e pegar algumas gemas de energia que tenho. Você e Xandro vão até a casa de vocês e buscam os elixires.
Cássia e Xandro se entreolharam com certo constrangimento. Alaústre os chamou à realidade:
- Vocês discutam a relação de vocês depois! Agora é hora de salvar Paradiso!

0 comentários:

Postar um comentário

ANTES DE COMENTAR:

- não escreva em CAIXA ALTA;
- não divulgue links;
- não escreva com miguxês, internetês e similares;
- respeite as opiniões apresentadas.

Obrigado.

 
T.E.C. © 2010 | Designed by Trucks, in collaboration with MW3, Broadway Tickets, and Distubed Tour | Customized by Sybylla