Conto (capítulo 5) - Dejavú

Renato chegou em seu condomínio atordoado, mais pelo ocorrido no trânsito do que pela demissão. Ele tinha certeza que vivenciara aquele acidente.
-Cuidado!!!
Um garotinho chutara sua bola, que ia de encontro com o rosto do ex-professor.
Instintivamente, Renato fechou seus olhos, mas nada aconteceu. Abriu os olhos. O garotinho estava prestes a chutar a bola. Saiu da frente e a bola passou.
Novamente acontecera! O tempo havia retrocedido! Mas como?
Renato entrou em seu apartamento. Um belo cãozinho da raça shi-tzu veio recebê-lo. Renato morava sozinho. Como não tinha muito dinheiro, alugava.
-Está com fome, não é, garoto? Papai já vai preparar sua raçãozinha. – falou com seu cachorro.
Renato costumava misturar um pouco de ração pastosa com a ração sólida para dar gosto na comida. Muita gente acharia um luxo desnecessário com um cachorro. Muita gente: menos quem ama seu animal.
Porém, ao pular na perna de Renato, Alfie (esse era o nome do cachorro) fez seu dono ter um leve desequilíbrio, deixando cair parte da ração pastosa no chão.
Renato respirou fundo e estendeu sua mão para pegar um pano. Foi aí que ele parou. Olhou para a sujeira o chão e teve uma idéia: fechou forte os olhos. Quando abriu, estava novamente com a lata de ração na mão. Desviou a perna e não deixou cair a sujeira de novo.
Renato então aproveitou para fazer vários testes em sua casa. Fazia e desfazia coisas. Passou o dia assim, divertindo-se.
Ao final da noite (que pareceu durar muito mais que o normal, claro), Renato deitou-se cansado.
Entretanto, foi ao se deitar que ele teve uma nova surpresa desagradável: o sinal de recado de sua secretária eletrônica piscava. Acionou para ouvir o recado.
-Renato, aqui é a Valéria, sua namorada. Estou esperando você hoje. Ligue para mim assim que chegar. Estou preocupada. – ouviu a gravação.
Renato mordeu o lábio.
-Droga! Ela vai me matar por não ter ligado de volta!
Lembrou então de seu novo poder. Ele só tinha testado voltar alguns poucos segundos, não devia ser diferente voltar algumas horas, para o momento que chegou em casa.
Apertou bem os olhos. E eis que uma fortíssima dor de cabeça veio. Renato abriu os olhos assustado. Sentia tontura e seu nariz começou a sangrar. O tempo não parecia ter regredido mais do que alguns minutos.
Renato ainda estava de pé. Caiu no chão.
-Preciso de ajuda!
E ele sabia bem quem poderia ajudá-lo.

0 comentários:

Postar um comentário

ANTES DE COMENTAR:

- não escreva em CAIXA ALTA;
- não divulgue links;
- não escreva com miguxês, internetês e similares;
- respeite as opiniões apresentadas.

Obrigado.

 
T.E.C. © 2010 | Designed by Trucks, in collaboration with MW3, Broadway Tickets, and Distubed Tour | Customized by Sybylla